Recrutamento e seleção: conheça as 5 armadilhas nas quais você não pode cair


Abril 4, 2018 / Artigo

Recrutamento e seleção: conheça as 5 armadilhas nas quais você não pode cair

Encontrar pessoas que pensam fora dos limites convencionais, não temem ser autênticos, honestos e éticos, apresentam espírito de equipe e levam o trabalho muito a sério, é uma das principais tarefas do processo de recrutamento e seleção de uma empresa, porque é a partir do trabalho de seus colaboradores que as organizações ganham vida.

Enquanto nos processos modernos de treinamento e desenvolvimento, a qualificação e reciclagem têm sido fatores essenciais para aumento da empregabilidade, para um eficaz processo seletivo os integrantes deste setor do RH também podem precisar de curso de recrutamento e seleção que refine suas habilidades para encontrar e avaliar os candidatos certos.

Um curso recrutamento e seleção ajuda a ampliar a lente dos recrutadores a respeito dos atrativos dos potenciais candidatos no processo seletivo, para levar os melhores a bordo, e revela alguns comportamentos que os recrutadores devem evitar a qualquer custo.

O que é recrutamento e seleção de pessoas?

Recrutamento e seleção é uma das áreas do departamento de Recursos Humanos, que está cada vez mais estratégico dentro das empresas, que não têm mais tempo e nem verba para gastar com funcionários mal selecionados e sem perfil para o trabalho. Quando o perfil não é aderente à necessidade da empresa, não há programas de treinamento e desenvolvimento e nem trilha de aprendizagem que deem jeito.

Para saber qual a diferença entre recrutamento e seleção (RH), é preciso entender que basicamente o recrutamento capta os profissionais, e a seleção escolhe os melhores.

O recrutamento é um processo de coleta de informações, para atrair candidatos potencialmente qualificados para as vagas abertas naquela corporação.

É preciso abastecer o departamento de Recursos Humanos da empresa com “matéria-prima básica”, ou seja, candidatos, que poderão ser atraídos por meio dos sites de vagas das empresas ou outros canais, para onde poderão enviar currículos.

Por outro lado, a seleção faz a escolha certa da pessoa adequada para o cargo oferecido. Vai realizar processos de comparação de candidatos por meio de seus conhecimentos, habilidades e atitudes que poderão ser conferidos em entrevistas, provas seletivas,  dinâmicas e outros recursos, entre eles, poderíamos citar também vários exemplos de testes psicológicos para recrutamento e seleção.

Qual a diferença entre recrutamento e seleção?

No conceito de recrutamento e seleção de Idalberto Chiavenato, que é um dos autores brasileiros mais respeitados na área de administração de empresas e Recursos Humanos, o “Recrutamento é um conjunto de técnicas e procedimentos que visa atrair candidatos potencialmente qualificados e capazes de ocupar cargos e oferecer competências para a organização”.

E vai além: “O recrutamento e a seleção não são atividades que devem ficar restritas à área de Gestão de Pessoas. Quanto maior for a participação do departamento requisitante do novo funcionário nos procedimentos, maiores serão as chances de sucesso e de integração deste com sua nova função. As características requeridas para o cargo e, portanto, as que se buscam e analisam-se, no candidato, devem ser objetivas, claras e bem definidas”, sobre recrutamento e seleção, Chiavenato.

Como fazer um recrutamento e seleção eficaz? Livre-se destas 5 armadilhas

Realizar um processo de recrutamento e seleção passo a passo, de um novo funcionário , requer planejamento e execução adequados. Caso contrário, o tiro pode sair pela culatra e a empresa pode ter que arcar com o tempo e o dinheiro perdidos em uma seleção equivocada.

A contratação é uma das decisões mais críticas que uma empresa faz. Com uma compreensão dos atributos-chave que você procura em um candidato e uma abordagem organizada e direcionada, você pode obter os melhores talentos rapidamente.

Para atrair os candidatos certos, investigue muito sobre a real necessidade daquela contratação e capriche na definição clara da vaga para atrair os candidatos perfeitos.

Mas se há respostas para a pergunta: como fazer um processo de recrutamento e seleção? Também existem algumas armadilhas nas quais um analista de recrutamento e seleção pode “cair”.

via GIPHY

Veja aqui 5 destas ciladas:

Você sabe quem está contratando?

Faça a imagem mental: você é de uma empresa de recrutamento e seleção ou mesmo de um setor dentro do RH e tem uma vaga aberta, com competências exigidas muito claras, mas não está encontrando o perfil ideal. De repente, chega o currículo perfeito. Se a sua primeira atitude é comemorar e achar que a batalha já está vencida, tenha calma e use de muito prudência.

É preciso checar, porque nos indicadores de recrutamento e seleção, muitas informações podem ser imprecisas e não revelar a verdade em todos os seus pontos e vírgulas, seja nos currículos ou até mesmo em cartas de apresentação.

Se existem diversos candidatos para a vaga, uma rápida entrevista por telefone pode ajudar a fazer essa primeira peneira, sem a necessidade de chamar todos os candidatos para a fase de entrevistas presenciais. Para um recrutador experiente e intuitivo, uma conversa por telefone já pode traçar um quadro mais visível.

Quando partir para a entrevista formal, mesmo com o currículo perfeito em mãos, não pule etapas, realize todos os testes possíveis, para realmente ter a certeza que o candidato é apto para encaixar-se na vaga.

E outro lembrete: verificar referências não é um passo a ser apressado, pode ser crucial para evitar um erro na contratação.

Não caia no preconceito inconsciente!

Pelo mito de Narciso, tendemos a nos apaixonar por nossa própria imagem, ou seja, na psicologia, tendemos a nos aproximarmos de quem nos é semelhante, seja classe social, etnia, idade, gênero ou valores. Mas na seleção e recrutamento, isso é uma armadilha.

Nem sempre o perfil ideal para a vaga aberta, vai ter semelhanças com o recrutador. Nunca julgue o livro pela capa, realize recrutamento e seleção por competências.

Tendo a mente aberta para apreciar o que é diferente de si próprio, o recrutador também ajuda a valorizar a diversidade dentro de uma equipe de trabalho.

Rejeitar um candidato super qualificado

No planejamento de recrutamento e seleção de pessoal, rejeitar um candidato super qualificado por receio que ele vá ficar entediado ou abandonar a empresa na primeira proposta de uma posição melhor pode não ser uma jogada muito inteligente.

Um colaborador com um nível maior de habilidades pode dispensar os custos com treinamentos e ainda promover uma adição positiva à empresa.

Alguém com um perfil diferenciado pode ser uma carta na manga quando houver necessidade de preencher uma vaga para cargos que exigem mais qualificação.

Não mapear o perfil comportamental na entrevista

Mas se um currículo impecável e que atende aos requisitos do cargo é o necessário para chamar a atenção dos recrutadores e convidá-lo para uma entrevista, é no momento “face to face”, que, de fato, o recrutador vai conseguir observar com mais clareza alguns detalhes que podem fazer a diferença na seleção.

Além disso, nas técnicas de recrutamento e seleção está previsto o devido preparo para a entrevista dos candidatos. Aqueles que estarão fazendo a entrevista precisam discutir o tipo de candidato que eles realmente estão procurando e que tipo de perguntas eles vão fazer durante a conversa.

Muitas vezes, os candidatos já têm em mente o que será perguntado e se preparam para isso.  É imprescindível que o entrevistador também se prepare para a entrevista e não seja fisgado com a ilusão de que o candidato é perfeito só porque deu a resposta que ele esperava.

É neste momento que o perfil comportamental do candidato pode ser avaliado para quem está preparado. Nesta hora, é possível avaliar a capacidade de se comunicar, se o candidato tem iniciativa e gosta de trabalhar em grupo.

Por isso, uma pergunta como “O que você aprendeu em seu último emprego?” pode ser melhor do que uma questão como “Qual é seu maior defeito”, que vai colocar o candidato em uma posição defensiva e, talvez, até estimule que ele minta a respeito.

E tome notas durante as entrevistas para que você possa analisar objetivamente todos os candidatos no final do processo de entrevista, quando todos os seus encontros com candidatos podem estar misturados em sua memória.

Não dar retorno aos candidatos

Da mesma maneira que deixar os candidatos esperando muito tempo antes de uma entrevista pode ser visto como um sinal de desorganização da empresa, não dar retorno pode surtir o mesmo efeito.

Mesmo que o recrutador pense que em um processo de recrutamento e seleção o seu silêncio possa significar que está “polindo” seu pacote de oferta, isso pode passar a mensagem ao candidato que houve desinteresse da empresa e acabar buscando outra oferta de trabalho.

Não dar retorno aos candidatos, seja ele positivo ou negativo, pode ser uma verdadeira cilada para sua employer branding (marca de uma empresa como empregadora).

Recrutamento e seleção: conheça as 5 armadilhas nas quais você não pode cair

O que os recrutadores reparam em uma seleção de emprego?

Mas se os recrutadores podem cair em armadilhas, não pensem que os candidatos não estão sujeitos a esses riscos. Vamos citar algumas questões que podem ser úteis em uma entrevista de emprego:

– Quem pensa que está sendo avaliado apenas no momento em que entra na sala de entrevistas, está muito enganado.

– Questões como pontualidade, gentileza com os recepcionistas, posturas questionáveis enquanto aguarda, como revelar certa impaciência com a espera, são alguns quesitos que já apresentam algum perfil do candidato. E pode ter certeza, todos os comportamentos dele na pré-sala da entrevista, vão chegar ao recrutador.

– Sabe aquela história de que o corpo fala? É verdade. Em uma entrevista, não minta, porque seu corpo vai te denunciar e um recrutador mais experiente vai perceber imediatamente.

– Nas entrevistas, os recrutadores também querem mais saber sobre resultados do antigo trabalho, ao invés de falar apenas de sua lista de atividades, porque a descrição do cargo que o candidato exercia é um dado que já está apontado no currículo.

– O entusiasmo em ocupar aquela vaga e participar da equipe é outro ponto que ganha muita atenção dos recrutadores. Quando um candidato demonstra que conhece a corporação, sua missão e resultados, pode se sair em melhor nos processos seletivos.

– O comportamento durante a entrevista também faz diferença, apertos de mão muito fortes ou muito fracos, bocejos frequentes, falar demais e interromper o recrutador, fazer brincadeiras na hora da entrevista ou ficar com braços cruzados o tempo todo demonstrando falta de abertura para captar a mensagem do recrutador também são comportamentos que não são apropriados.