CONTEÚDO NEXIALISTAS

O futuro do emprego – Como se preparar hoje para as carreiras de 2030

postado em: 10/15/2017

 Ilustração executivos buscam o futuro do emprego

 

Você sabe qual o futuro do emprego? Muito se tem falado, e muito mais deve se ouvir e discutir sobre o esse tema. É inevitável. Afinal, estamos em meio à 4ª Revolução Industrial, a Era da Digitalização.

À medida que mais e mais tarefas passam a ser automatizadas, é natural que cresçam as preocupações de que a “máquina” possa substituir o homem. Essa preocupação não é de hoje, a cada uma das Revoluções Industriais pelas quais passamos, esses sempre foram os comentários.

Inúmeros estudos têm sido realizados para tentar antecipar o impacto das mudanças. Muitos deles por governos de diferentes países, outros por empresas que buscam a remodelação dos negócios para acompanhar os avanços da era digital.

A maioria das análises, no entanto, considera somente a tecnologia nesse cenário ou foca apenas em carreiras que serão extintas. As  oportunidades que irão surgir ou como os profissionais deverão se preparar para uma nova realidade quase não são avaliadas.

Uma pesquisa recém divulgada traz, no entanto, uma nova perspectiva para essa forma como temos encarado as transformações. Além de interessantes conclusões para quem trabalha com recursos humanos e gestão de pessoas.

 

Inteligência humana e artificial como aliadas

De acordo com os pesquisadores, o futuro do trabalho não deve ser tão catastrófico como temos imaginado.

É claro que haverão mudanças. Elas não significam necessariamente o fim dessa ou daquela carreira. Em muitos casos, será apenas necessário o desenvolvimento ou aperfeiçoamento de novos conhecimentos para desempenhá-la.

Os dados recolhidos sugerem ainda que o emprego do futuro necessitará tanto de tecnologia como terá de habilidades humanas.

O próprio estudo foi realizado dessa forma. Experts e líderes avaliaram, de acordo com o contexto econômico, político, social e ambiental, tendências para o emprego. Dados históricos e de análises também foram combinados a partir de algoritmos. Inteligência humana e artificial trabalharam lado a lado.

Menos do que se preocupar mais para se preparar

Realizado pela empresa de educação Person em parceria com a Nesta, da área de inovação, e com o especialista em machine learning Michal Osbourne, da Oxford Martin School, o estudo traz as habilidades que continuarão relevantes no futuro.

Esse é um dos principais achados para empresas, gestores de pessoas e para quem está no mercado de trabalho ou deve ingressar nos próximos anos. Conhecendo os cenários futuros é possível começar hoje a desenvolver as características que serão necessárias para as carreiras de 2030.

“Está claro que a tecnologia está mudando a economia global e o mercado de trabalho, mas nós temos o controle do nosso destino. Nós devemos reavaliar quais são as habilidades que serão necessárias para um futuro digital e atualizar nossos sistemas de educação. Dessa forma as escolas terão as ferramentas certas para ajudar as novas gerações a terem sucesso como a força de trabalho do futuro”, afirmou o CEO da Person, John Fallon.

O alerta para as empresas é que há oportunidades para crescimento. No entanto, o setor de T&D tem que ser rápido o suficiente para se adaptar à novas realidades. É preciso ir além das discussões sobre automação. Deve-se investir em áreas que podem gerar insights aos colaboradores, como soluções em aprendizagem e redesenho de carreiras.

O futuro do emprego –  As competências do século 21

Já ouviu falar de soft skills? Eles vão além do que se aprende nos bancos escolares.

Com a automatização será necessário mais do que apenas conhecimento técnico ou um diploma de universidade.

O emprego do amanhã precisará de funcionários que saibam avaliar as situações, tenham criatividade e agilidade na solução de problemas, que tenham habilidades mais humanas e não só técnicas.

Para definir quais serão as habilidades, capacidades e tipos de conhecimentos da próxima década, o estudo considerou as características relacionadas às carreiras com mais chance de crescimento no futuro. São elas:

Habilidades

  1. Julgamento e tomada de decisão – Balancear custos e benefícios de uma ação para decidir pela mais apropriada
  2. Aprendizado ativo/participativo – Compreender e avaliar as implicações de novas informações tanto para o presente como futuro na resolução de problemas e tomada de decisões.
  3. Estratégias de Aprendizagem – Selecionar e escolher os métodos mais apropriados de ensino, treinamento ou procedimentos ao ensinar ou aprender novos conceitos. No caso dos negócios, vinculando todos esses métodos e procedimentos aos objetivos estratégicos das organizações.
  4. Avaliação de sistemas – Identificar medidas ou indicadores de desempenho de um sistema e as ações necessárias para melhorar sua performance de acordo com o objetivo estabelecido.
  5. Resolução de problemas complexos – Identificar questões complexas e, revisando informações relacionadas, desenvolver e avaliar opções para implementar as soluções.
  6. Análise de sistemas – Avaliar e determinar como um sistema deve funcionar e como mudanças, em operações ou no ambiente, podem afetar os resultados.
  7. Monitoramento – Avaliar o desempenho próprio, de outros ou de organizações a fim de sugerir melhorias ou adotar medidas corretivas.
  8. Pensamento crítico – Uso da lógica e raciocínio para identificar pontos fortes e fracos de alternativas, soluções ou abordagens propostas a questões ou problemas.
  9. Instrução – Habilidade de ensinar aos outros sobre como fazer algo.
  10. Gestão de Recursos Humanos – Motivar, desenvolver e direcionar as pessoas enquanto trabalham, identificando a pessoa certa para cada desafio.
  11. Coordenação – Ajuste de ações de acordo com o comportamento e atividade de outros.
  12. Atenção a opiniões/escuta ativa – Habilidade de prestar atenção ao que os outros dizem, dedicar um tempo para entender as colocações que são feitas e só fazer perguntas quando necessário, sem interromper o interlocutor em momentos inapropriados.
  13. Percepção Social – Perceber e compreender as reações das pessoas em diferentes situações.

Capacidades

  1. Raciocínio dedutivo – Capacidade de deduzir, aplicar uma premissa geral a problemas específicos e produzir respostas coerentes.
  2. Geração de ideias – Capacidade de apresentar diversas ideias sobre um tópico. A quantidade é importante, nem tanto a qualidade, exatidão ou criatividade.
  3. Originalidade – Capacidade de sugerir soluções ou ideias incomuns para determinando tópico ou desenvolver abordagem criativa para resolver um problema.
  4. Raciocínio Indutivo – Capacidade de combinar diferentes informações para chegar a uma conclusão, incluindo encontrar significado em eventos não relacionados diretamente.
  5. Identificação/sensibilidade a problemas – Capacidade de perceber quando há algo errado ou quando há grande probabilidade de que dê errado. Não está relacionado a resolver problemas, mas reconhecer que há algum problema.
  6. Organização de informações – Capacidade de organizar coisas ou ações na sequência ou padrão para atender a uma regra geral ou específica. Exemplo: padrões numéricos, de letras, palavras, imagens ou operações matemáticas.

Conhecimentos

  1. Educação e Treinamento – Conhecimento de princípios e métodos para o desenvolvimento de conhecimento, habilidades e atitude. Capacidade de viabilizar o treinamento, ensino e instrução para indivíduos ou grupos, além do monitoramento da eficiência das soluções aplicadas.
  2. Administração e gestão – Conhecimento de princípios de negócios e gestão envolvidos no planejamento estratégico. Também de alocação de recursos, modelagem de recursos humanos, técnicas de liderança e coordenação de pessoas e recursos.
  3. Psicologia – Conhecimento do comportamento humano, desempenho, individualidades e capacidades.
  4. Sociologia e Antropologia – Conhecimento das dinâmicas e comportamentos das sociedades relacionados com histórias e origens.

Como se preparar hoje para as carreiras do amanhã

E como utilizar todas essas informações e cenários para preparar a atual força de trabalho para os desafios futuros?

Gif de mulher confusa

A conclusão do estudo traz alguns pontos de reflexão a serem considerados por educadores, empregadores e trabalhadores.

Para sistemas de ensino o recado é claro e urgente. O ritmo das mudanças deve se acelerar ainda mais. Escolas e universidades devem ser ágeis para remodelar seus programas de acordo com o que o mercado de trabalho precisará. A aprendizagem deverá ser mais flexível, adaptativa e permitir a aquisição de conhecimentos de acordo com as necessidades do aluno.

Empresas devem repensar seus modelos e funções buscando o equilíbrio entre tecnologia e recursos humanos para maximizar a produtividade. A tecnologia não deve suplantar o capital humano, mas complementá-lo. As companhias terão que evoluir sobre como identificar e desenvolver talentos. O diploma sozinho não será indicativo nenhum de empregabilidade ou competências desejadas.

Trabalhadores e aprendizes prestes a ingressar no mercado de trabalho, é hora de se aplicar em desenvolver competências unicamente humanas. Como exemplos dessas habilidades estão criatividade, originalidade, geração de ideias e empatia. Sem esquecer o comprometimento com uma aprendizagem constante, que deve se estender por toda a vida.

Há ainda outras informações sobre as carreiras de 2030 que você pode conferir no material completo da pesquisa acessando o website Future of Skills

Está interessado em atualizar seu setor de RH e gestão de pessoas? Dá uma olhada nos outros artigos do nosso blog. Temos textos que tratam desde estratégias de aprendizagem, tendências da nova liderança até como parcerias com consultorias de educação corporativa podem impulsionar o T&D de sua empresa.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar