CONTEÚDO NEXIALISTAS

Inclusão conceito inacabado

postado em: 03/21/2018

Inclusão conceito inacabado

“Not everything that can be counted, counts. Not everything that counts can be counted.”

Inclusão, um conceito poderoso em termos de gestão humana, corre o risco de cair em descrédito antes mesmo de sua plena adoção. Inclusão vem sendo incorporada a programas de desenvolvimento de lideranças de forma superficial e metodologicamente falha. O termo é recente, e acadêmicos ainda debatem sobre a melhor forma de operacionalização (metodologia) para mensurar a inclusão.

Este debate decorre do fato de que Inclusão é um termo difícil de definir. A primeira questão relevante diz respeito a que nível de inclusão estamos nos referindo. O indivíduo se sente incluído na organização? No seu grupo de trabalho? Pela sua liderança?

Estudos recentes informam que os três níveis são importantes, mas indivíduos percebem de forma mais acentuada a inclusão no grupo de trabalho. O papel da liderança também é fundamental.

No primeiro nível, o da organização, está confirmado que programas formais e práticas inclusivas de RH contribuem para a percepção de um clima favorável à Diversidade, mas não são suficientes. Em geral, limitam-se a momentos específicos da jornada do colaborador (ex: contratação, promoção). A percepção de Diversidade e Inclusão refere-se ao dia-a-dia do colaborador e é impressa através de suas vivências cotidianas com a liderança e o grupo de trabalho. Em outras palavras, práticas de RH podem colaborar para a Diversidade, mas pouco influenciam na Inclusão. É um primeiro passo: garantem os números, mas os números não necessariamente contribuem.

Já no nível do grupo de trabalho, surge um conceito inovador: inclusão é percebida como o quanto as contribuições únicas de um indivíduo são valorizadas pelo grupo, ao mesmo tempo em que o indivíduo se percebe pertencente ao grupo, ou seja, espontaneamente abraça normas implícitas e a cultura organizacional.

Finamente, a liderança inclusiva é definida como aquela que dá oportunidade para o colaborador expressar ideias únicas, que podem contribuir para o processo de aprendizagem do grupo e assimilação de novos conceitos que podem levar à solução de problemas complexos.

 

Alessandra H. V. Miyazaki é Associada Senior na BMI Blue Management Institute. Por mais de 20 anos, Alessandra esteve à frente de times de alta performance na área comercial, em empresas de grande porte. Sua sólida base acadêmica inclui mestrado em Gestão Humana, com foco em Diversidade e Cultura e especialização em Marketing. Também é professora de Estratégia, Marketing, Negociação e Gestão Estratégica de Pessoas do curso de pós-graduação Lato Sensu (MBA) da FGV-Fundação Getúlio Vargas e alumini da Georgetown University, Washington D.C

 

Referências: NISHII, L. H. The Benefits of Climate for Inclusion for Gender Diverse Groups. Academy of Management Journal, V. 56, N. 6, p. 1754–1774. 2013.